fbpx
28 ago 2018

Porque a minha empresa deve ter um site

A internet hoje é o segundo meio de comunicação mais utilizado, ficando atrás apenas da televisão (e com grande chance de ultrapassar). Dados do IBGE apontam que mais de 50% dos brasileiros utilizam a internet como principal meio de comunicação e informação. O número de usuários aumentou comparado aos anos 2000 a 2010, o crescimento foi de 1.418,9%.Uma empresa que pretende atingir todas as classes sociais, necessita investir na criação de um site, seja no formato de um blog, institucional ou e-commerce, como uma forma de divulgar o seu negócio, atrair o seu potencial consumidor e torná-lo efetivamente um cliente, independente do lugar que ela estiver no momento. Quem ainda não tem uma presença online, está perdendo oportunidades no mundo de negócios. Muitos empreendedores podem pensar “Preciso de um site para minha empresa” para integrar seus negócios com o espaço virtual. Muitos têm conhecimento da sua importância, mas não sabem como devem agir. Confira alguns tópicos abaixo e entenda porque é importante ter um site para sua empresa.

 

1. Confiança na Empresa

Desenvolver um site para sua empresa (seu negócio) possibilita que ela tenha maior credibilidade perante o seu público-alvo, garantindo que os clientes notem o seu esforço e dedicação em possuir um relacionamento próximo, também no ambiente virtual. Isto proporcionará inúmeras vantagens que ajudarão a instituição a lembrar do porquê ter um site.

Com um site criado e sempre atualizado, sua empresa passa a dar, ainda mais, uma imagem profissional para os consumidores, uma vez que a página na web possui informações relevantes a esses clientes, que consequentemente, exaltam a reputação positiva da empresa para seus compradores. A credibilidade começa a ser criada por diversas formas, seja pela importância que a empresa atribui aos clientes, ou até mesmo, aos conteúdos informados em sua página oficial.

 

2. Presença online 24 horas por Dia

Ter um negócio físico possui suas regras específicas em relação ao funcionamento e horário comercial, ao contrário de um negócio online. Em um site ou loja virtual, a empresa está acessível para o cliente no momento em que ele desejar, oferecendo maior autonomia ao consumidor e eliminando problemas do cotidiano, como trânsito e tempo de deslocamento. Com isso, a presença online está ativa 24 horas por dia, tornando possível absorver o maior números de consumidores ao mesmo tempo e em horários diferenciados. Mesmo com um site institucional, seu cliente poderá ter informações relevantes de seu produto ou serviço, tais como horário de funcionamento, serviços prestados, preços, etc.

Quando uma empresa tem a oportunidade de exibir seus produtos e serviços para os consumidores, ela certamente estará em constante “divulgação”, como uma espécie de “vitrine” automática, funcionando como protagonista, e quando aliada ao uso do marketing digital, servirá como ferramenta ideal para a expensão do seu negócio e obter excelentes resultados no espaço virtual, destacando a importância do “site para minha empresa”.

3. Ser encontrado na Internet e Conquistar Novos Consumidores

Como empreendedor, você pode ter sua empresa física e também mantê-la ativa online. Como dito acima, é muito importante que o seu cliente tenha a possibilidade de te encontrar no momento em que ele precisar. Com a enorme quantidade de informações disponíveis na internet, quando o consumidor possui uma dúvida sobre um produto ou serviço que necessita, realiza diversas pesquisas e encontra variadas opções de empresas e negócios que oferecem o que ele precisa. Por esta razão, é de grande importância que você tenha não apenas um site, mas um site otimizado para buscadores, como o Google.

Além disso, um site apresenta infinitas possibilidades de alcançar novos clientes para seu negócio, e para que isto ocorra, exiba para seu público-alvo o maior número de informações sobre seus produtos e serviços, o seu campo de atuação, para que de fato sejam interessantes e despertem a leitura dos públicos. É com detalhe das informações que o Google, por exemplo, utiliza para localizar um site, de acordo com as palavras que uma determinada pessoa digitar para pesquisar.

O site veio para trazer novos modos para a conquistar consumidores, que antes se limitava a ações locais, e agora pode atingir pessoas de diversas partes do mundo. Por meio da página na web, é possível manter um contato com uma pessoa do mesmo bairro, mas também de outro lado do continente. Essas medidas contribuem para o aumento de vendas na empresa, tornando-se alternativas.

 

4. Valorizar e Fortalecer sua Marca no Mercado

Através de um website, além de poder oferecer um produto ou serviço, sua empresa também pode oferecer conteúdos com dicas e informações relacionadas ao mercado, sobre o produtos e até mesmo sobre os clientes. Sua marca será vista não apenas do ponto de vista comercial, mas como um canal de informação sobre o mercado em que atua. Além do mais, realizando um estudo sobre o público alvo, as informações podem ser direcionadas para todos os perfis de consumidores da marca.

Esta deve ser considerada uma das formas de construir uma identidade para a empresa, mostrando ao consumidor o seu potencial e o seu conhecimento sobre o seu negócio, gerando credibilidade e se posicionando como autoridade no assunto. Dessa maneira, fica mais fácil para o consumidor definir qual empresa escolher no momento da compra. Que tal fazer um blog com conteúdos relacionados ao seu serviço e, com isso, atrair mais visitantes e potenciais clientes para o seu site? É uma ótima dica!

 

5. Contato com o Público-alvo nas Redes Sociais e Gerar Novos negócios

O conteúdo de um site deve contar necessariamente com os produtos e serviços oferecidos pela empresa, mas não significa (e não se restringe) que deva excluir outras formas de divulgação, como, por exemplo, as redes sociais, que são fundamentais para o crescimento dos negócios no espaço virtual.

As redes sociais trouxeram diversas facilidades e ótimos benefícios não somente para os usuários, mas também para as organizações, que agora possuem outras maneiras de fidelizarem seus clientes, mantendo-se próximos. Contar com um perfil nas plataformas virtuais “obriga”, de certa forma, a marca a pensar em conteúdos que sejam realmente relevantes para o consumidor, que o façam adquirir seus produtos e serviços, aumentando o número de consumidores potenciais. Portanto, utilize o site como um cartão de visita no espaço virtual.

Para além das redes sociais, após fixar a sua presença online, é o momento de pensar em estratégias para transformar o seu visitante em consumidor final. Além da otimização do site para buscadores (como o Google), é importante direcionar o cliente para a venda.

A utilização de conteúdos educativos, também é uma ótima maneira de atrair potenciais consumidores. Para otimizar esse processo, você pode se utilizar de landing pages que garantem as conversões necessárias para a saúde do seu site e do seu negócio. Além das dicas citadas acima, é de extrema importância que o site da sua empresa seja responsivo, ou seja, acessível de qualquer plataforma, seja um desktop, notebook ou smartphone. Sites responsivos são aqueles que adaptam o tamanho das suas páginas (alteração do layout) ao tamanho das telas que estão sendo exibidos. Suas vantagens derivam da adaptação a qualquer ferramenta que os usuários estejam usando para facilitar a sua visualização.

Share this
02 ago 2018

Como fazer um blog? Guia para o blogueiro iniciante

O objetivo deste post é ajudá-lo como fazer um blog, a começar o caminho certo. Descobrimos que muitas pessoas cometem erros ao iniciar um blog, às vezes resultando no completo abandono do projeto. Nós não queremos que isso aconteça. Existe uma série de fatos sobre como fazer um blog ter sucesso, ganhar visitas e monetizá-lo. O artigo vai dar algumas dicas para quem está começando agora (ou está migrando de plataforma) e para quem já tem, para poder incrementá-lo e torná-lo mais atrativo aos leitores e, consequentemente, mais lucrativo.

 

Conheça as plataformas de blog oferecidas pelo mercado

Hoje quando se fala em criação de blog, existem duas saídas: a gratuita e a paga. Na versão gratuita, existem duas plataformas muito popular e utilizadas, a WordPress.com e a Blogger (e o Tumblr logo atrás). Ambas oferecem praticamente as mesmas funcionalidades, mas quando você desejar sair destas plataformas, o Blogger é o mais engessado. Nestas duas opções você não paga para hospedar o seu blog, e ele fica em um endereço (subdomínio da plataforma) como http://meublog.wordpress.com ou http://meublog.blogger.com.

A versão indicada é a paga, mas aqui tem um detalhe: você vai pagar pela empresa que hospedará o seu blog e não pela plataforma. Quando escolher a plataforma, sugerimos o uso do WordPress, mas não a citada anteriormente e sim o sistema open source. Você pode fazer o download dos arquivos e instalar em seu servidor. A parte boa é que muitas empresas de hospedagem possuem a opção de você solicitar a instalação do WordPress para você, facilitando muito a sua vida.

 

Escolha a plataforma de blog certa (indicamos o WordPress)

Definido o assunto e escolhendo o tipo de hospedagem, você precisará escolher sua plataforma de blogs. Faça isso antes mesmo de começar a se preocupar com que aparência seu blog irá ficar. Há muitas opções no mercado para escolher, tanto para opções de hospedagem grátis como para hospedagem paga, como o WordPress, Tumblr, Blogger e muito mais…

Porém, dado que atualmente existem mais de 72 milhões de usuários ativos usando o WordPress, é claro qual plataforma é o chefe. Inúmeros blogs e sites são criados com a plataforma de blogs do WordPress, pois além de ser grátis, oferecem uma enorme gama de recursos para você personalizar. Aqui está o porquê:

  • é GRÁTIS para todos usarem (incluindo vários temas, layouts e complementos (plugins) que muitas outras plataformas de blogs não oferecem).
  • é ALTAMENTE customizável. Existem centenas de temas e plugins gratuitos que adicionam mais funcionalidades ao seu blog, desde caixas de contatos e assinaturas até plugins que melhoram a performance do blog e muito mais.
  • é FÁCIL de configurar. Quando você escolhe uma hospedagem paga e registra o seu domínio, a maioria dos planos de hospedagem oferecem o instalador automático de aplicativos, e isso inclui o WordPress.
  • é SEGURO, pois o WordPress está sempre atualizando seu software e mantendo seguro, então raramente há uma preocupação de ter seu blog sob ataques de hackers. Não é àtoa que o Facebook, a NASA e até mesmo blogs universitários estejam usando o WordPress.
  • é ALTAMENTE customizável. Existem centenas de temas e plugins gratuitos que adicionam mais funcionalidades ao seu blog, desde caixas de contatos e assinaturas até plugins que melhoram a performance do blog e muito mais.

Por mais que as outras plataformas de blogs geralmente são, geralmente, consideradas boas, nada chegou perto de combinar as opções de liberdade e personalização que o WordPress oferece. Então, sem dúvida, vá com o WordPress, será a melhor escolha. Especialmente quando você está apenas começando.

 

Passos Para Criar um Blog

Basicamente, siga os seguintes passos para criar um blog de sucesso e ter sua ideia na internet:

  1. Escolha um assunto do seu interesse;
  2. Defina se você irá utilizar uma hospedagem paga ou uma versão de blog gratuita
  3. Registre um nome de domínio e hospedagem (para hospedagem paga)
  4. Escolha uma plataforma de blogs
  5. Execute a criação através do local escolhido
  6. Defina um tema visual para o seu blog
  7. Comece a publicar conteúdos.

 

Criação de Conteúdo

Na Internet podemos dizer que conteúdo é tudo e, claro, o mesmo vale para os blogs! A coisa mais importante que você pode fazer no seu blog é escrever artigos de qualidade. Para isto, você precisa pesquisar no mercado quais são os assuntos mais populares e mais interessantes para a sua audiência. Além disso, existem ainda outras formas de você conseguir aumentar muito o volume de produção de conteúdo para o seu blog, através do uso de recursos externos, como agências de conteúdo ou freelancers, integração com redes sociais, etc.

 

Imagens e Vídeos no Blog?

Uma questão extremamente importante é anexar ao seu artigo imagens e vídeos sempre que possível, pois é agradável ler uma matéria e ver um vídeo ou foto relacionado a ela. Se seus artigos forem mal feitos os visitantes podem até chegar ao seu blog mas dificilmente irão retornar (ou podem até nem fazer a leitura do conteúdo), com isso você não conseguirá recomendações de outros blogs e sites de qualidade, que por sinal são parte da estratégia de SEO.

 

Faça Diferente do que já Existe

A maioria das pessoas acham que é impossível fazer sucesso com um blog voltado para uma área muito explorada como por exemplo, tecnologia, viagens ou informática. Ao invés de pensar em como concorrer com os blogs grandes do mercado, utiliza bastante de sua criatividade, e aí sim será possível fazer o seu blog aparecer nas pesquisas dos buscadores e bater alguns “concorrentes” de peso.

Existem diversos modelos de análises para mapear a concorrência, os pontos positivos e negativos de seu blog. Um modelo muito adotado em publicidade e marketing é a análise SWOT. Esta análise irá lhe ajudar a identificar quais áreas você pode ou deve explorar melhor para ter sucesso e visibilidade na internet. Outro caminho muito interessante (e bastante utilizado) é o de criar um produto digital alinhado ao que o seu blog possui de conteúdo. Assim você consegue monetizar muito bem e ao mesmo tempo criar um negócio.

 

Fuja de plataformas grátis

Sem dúvida, você precisa hospedar seu blog. Observe os blogs famosos e bem sucedidos que você conhece, e veja se está usando um site de blogs gratuito como “seublog.wordpress.com” em vez de seu próprio nome de domínio como “MeuBlog.com.br”, por exemplo?

Além disso, as plataformas de blogs gratuitas também têm outros problemas que podem dificultar que seu blog tenha mais visibilidade ou até outros motivos, como:

  • você não controla seu conteúdo: a plataforma de blogs gratuitas poderiam fechar a qualquer momento, e por qualquer motivo;
  • o endereço da web do seu blog será longo e difícil de lembrar (como seublog.blogspot.com) em vez de um endereço cativante e de marca escolhido por você;
  • você não tem permissão para anunciar na maioria das plataformas de blogs gratuitas, tornando muito mais difícil ganhar dinheiro com blogs;
  • limitação ou até mesmo falta de melhores customizações, como templates e plugins que melhoram muito um blog, possibilitando torná-lo responsivo, ou seja, adaptável a qualquer tamanho de tela, integração com redes sociais e muitas outras opções que somente uma plataforma paga (hospedagem do site + o registro do domínio) podem oferecer.

Sendo assim, nossa sugestão é começar com um blog autônomo em seu próprio domínio desde o primeiro dia. Configurar um blog como este é mais fácil e menos caro do que você pensa.

 

Encontre um nome de domínio e provedor de hospedagem na web

Agora, a melhor parte e a mais emocionante! Para configurar um blog autônomo em seu próprio nome de domínio, você precisará de duas coisas primordiais:

  • Nome de domínio – Este será o seu endereço de blog pessoal onde as pessoas o encontrarão todas as vezes. Por exemplo, nosso domínio é www.HostFlix.com.br. O seu novo nome de domínio do blog será www.seu-blog.com.br, exceto que você escolherá o que estará por trás do Seu-Blog.
  • Hospedagem de site – Este será o lar do seu domínio, o local onde as páginas e conteúdo que está no blog serão armazenados. Sem hospedagem na web (ou hospedagem de site), você não poderá usar seu domínio. Pense nisso como um disco rígido do computador que armazena todo o seu conteúdo em seu blog (imagens, postagens de blog e assim por diante). O custo da hospedagem de sites que pode atender perfeitamente é o Plano SIMPLES, com um custo baixo de R$ 3,75 por mês, com o primeiro mês GRÁTIS.

É menos do que um cafezinho expresso , então não vai quebrar o banco, sem apertar seu orçamento. Mas é um investimento importante para o sucesso do seu blog.

Veja aqui como instalar o WordPress em seu site, através do no Painel de controle cPanel.

Share this
20 jun 2018

Atualização Chrome 56: saiba como evitar o aviso de sites inseguros e sem HTTPS

O Google Chrome passará a avisar os usuários sobre sites que não aplicam o HTTPS como forma de proteção aos visitantes, a partir da nova atualização, que entra no ar a partir de julho de 2018. A novidade, que passa a funcionar na versão Chrome 56 do navegador, busca tornar o uso da Internet mais seguro. A medida será importante especialmente para quem costuma enviar informações sensíveis aos sites, como dados de cartão de crédito, ou mesmo logins e senhas. O HTTPS (Hyper Text Transfer Protocol Secure) é uma forma de criptografia que visa garantir que esse tipo de informação seja criptografada pelo site para evitar a interceptação por criminosos.

Até recentemente, se pensava (e era esperado) que os certificados de segurança fossem úteis apenas para lojas virtuais e sites que realizavam algum tipo de transferência ou troca de informações sigilosas. Mas a questão de  segurança é um assunto muito sério para o Google e o objetivo de todas as ações da empresa são para tornar a web mais segura, transparente e confiável para o usuário.

Chegou a hora de pensar no futuro e  dar prioridade para a segurança do seu site, mas não se preocupe, a HostFlix vai te ajudar a entender melhor do que se trata essa atualização e o que você precisa fazer para evitar o aviso de site inseguro.

 

O que é o HTTPS?

O HTTPS (ou Protocolo de Transferência de Hipertexto Seguro, na tradução literal) é um protocolo de segurança que informa aos visitantes quando estão navegando em um site seguro e confiável. Isso significa que foi instalado um Certificado SSL e o site possui uma proteção extra. O Certificado SSL (Secure Socket Layer) é um certificado digital que:

  • Permite um tráfego de dados e informações com mais segurança entre o servidor e o visitante do site;
  • Garante que terceiros não autorizados tenham acesso à informações;
  • Utiliza um sistema de criptografia para mascarar os dados.

Um Certificado SSL protege as informações sigilosas que você guarda e compartilha em seu site.

 

Importância de ter um site com HTTPS

Um site com HTTPS garante maior segurança para troca de informações sigilosas, o que é primordial para lojas virtuais e sites com transações, além de dar maior relevância para SEO. Já que o Google e os demais buscadores valorizam a segurança, isso entrou na lista de itens indispensáveis para um bom ranqueamento da página.

Sendo assim, o Certificado SSL passou a ser uma exigência do mercado pois o protocolo garante mais segurança para os dados que circulam na web e isso contribui para mostrar mais credibilidade e integridade nas informações. Sem falar a grande utilização do Google Chrome pelos brasileiros, atualmente a maior parte das pessoas no Brasil utilizam o browser para navegar na internet.

Os sites que possuem Certificado SSL são etiquetadas com a mensagem “Seguro” da seguinte maneira:

 

Evitando o aviso de site inseguro

Como essa mensagem só aparecerá para os sites que não possuem o protocolo HTTPS, para evitar isso você precisa fazer a instalação do Certificado SSL. Essa instalação pode ser feita diretamente no painel cPanel. Os clientes da HostFlix têm direito ao SSL gratuito em todos os planos de Hospedagem de Sites Compartilhada. Além da opção gratuita, também existem diversos tipos de Certificados SSL, basta escolher o mais adequado e fazer a contratação do SSL na Área do Cliente ou veja aqui as opções.

Viu como não é difícil? Esperamos que tenha gostado deste post e que tenha sido útil para você, mas se ainda restou alguma dúvida fale com a gente. Estamos preparados para ajudá-lo a escolher qual a melhor opção para o seu site.

Share this
28 maio 2018

Como instalar o WordPress no cPanel

O WordPress é um software gratuito de código aberto que você pode instalar na sua conta de hospedagem. Os webmasters usam o WordPress para criar qualquer tipo de site. De um simples blog até lojas virtuais, que são mais complexos – qualquer coisa pode ser construída ali. E fique tranquilo, é muito fácil entender como instalar o WordPress.

Por sua simplicidade e versatilidade, o WordPress tornou-se um dos CMS mais populares. Muitos serviços de hospedagem como a HostFlix têm a opção de instalar o WordPress através de auto-instaladores. Literalmente você vai precisar de apenas alguns cliques para ter o WordPress na sua hospedagem.

Então, se você decidiu criar um site no WordPress este tutorial é pra você! Neste conteúdo você aprenderá como instalar o WordPress através do auto-instaladores Softaculous, utilizado na maioria dos painéis cPanel.

Instalação do WordPress com o autoinstalador da HostFlix

Essa opção é recomendada se você irá usar o painel da HostFlix para a sua hospedagem. Esse método de instalação é muito simples e você pode entender melhor através do passo a passo. Devido a sua fácil instalação e manutenção, Softaculous é um auto instalador popular em provedores de hospedagem de site que usam cPanel. Com Softaculous você pode instalar um punhado de diferentes CMS e Apps com apenas alguns cliques. Para ficar mais fácil de entender como instalar o WordPress no cPanel você pode acompanhar através das etapas abaixo.

1. Acesse o painel de controle da HostFlix e clique no ícone Softaculous Apps Installer.

2. Digite WordPress no campo de pesquisa. Você será apresentado com a versão mais recente do WordPress. Selecione esta opção, em seguida, clique em Install Now.

3. Preencha os dados necessários:

  • Choose Protocol  – Escolha o protocolo para o seu site. Se você tiver SSL instalado, é altamente recomendado para instalar o WordPress no protocolo HTTPS..
  • Selecione Domínio – Endereço do seu site WordPress. Você pode escolher um de seus domínios ou subdomínios existentes na sua conta de hospedagem.
  • Diretório – Informe o diretório que deseja instalar o WordPress. Deixe em branco se você quiser configurar o WordPress na raiz do nome de domínio.
  • Site Name – Seu título do site WordPress.
  • Site Description – seu slogan do Website, usado para explicar sobre o que é seu site.
  • Enable Multisite (WPMU) – Escolha se deseja ou não ativar o Multisite do WordPress. Esse recurso permite criar vários sites do WordPress usando a mesma instalação do WordPress.
  • Admin Username – Você precisará usar esse nome de usuário para entrar no painel do WordPress.
  • Admin Password – A senha que você terá que entrar para entrar na área de administração do WordPress.
  • Admin Email – Seu endereço de e-mail. Recomenda-se inserir um endereço de e-mail de trabalho aqui, pois ele será usado para notificações e redefinição de senha.
  • Select Language – Escolha o idioma padrão do WordPress.

4. Clique no botão Instalar e o Softaculous começará a instalar

E é isso! Agora você pode fazer login no painel do administrador e começar a criar seu site. É através do painel do WordPress que você irá carregar seu template, os plugins necessários para seu site funcionar, incluir as páginas e os posts, e demais configurações do site.

Configuração Pós Instalação

Agora que você concluiu a instalação do WordPress, a verdadeira diversão começa. Instalando seu site WordPress é só o primeiro passo de sua jornada como dono de site, e um monte de oportunidades está a sua espera.

Como parte da filosofia do WordPress, você é livre para customizar seu website de qualquer forma que quiser. Seja você está procurando um Plugin de terceiros para deixar seu site mais robusto, ou quer ter o controle total de seu site, você não ficará desapontado com o número de opções disponíveis para você.

Instalando Temas WordPress

Um bom lugar para começar a customização de seu site WordPress, é escolhendo um tema para ele. Selecionar o tema mais apropriado para seu site é um pouco critico. Enquanto o tema padrão do WordPress não seja a pior opção, você iria gostar de ter melhores escolhas de acordo com o conteúdo de seu site para a maior retenção de usuários. Isso também mostra aos seus usuários que você presta atenção aos detalhes – uma qualidade que faz seu site se destacar nesse mar de infinitas opções.

Felizmente, há uma grande variedade de temas gratuitos e premium de ótima qualidade para o WordPress. A forma mais fácil de instalar um novo tema é via o diretório de temas oficial WordPress. Aqui você pode pesquisar por temas gratuitos e rapidamente adicionar em seu site através de alguns passos simples. Para realizar isso, simplesmente vá até o seu painel de administração WordPress e vá para a sessão Aparência. Você deve ser direcionado a página de temas – Clique em Adicionar Novo. Agora pesquise seu tema de preferência, faça o download e instale em seu site WordPress.

Instalando Plugins no WordPress

Além de ter um site com uma aparência bonita e elegante, você também pode ter a chance de implementar mais funcionalidades ao seu site. Enquanto o WordPress é uma CMS diferenciada, rica em recursos para um sistema de gerenciamento de conteúdo padrão, está longe de ser o ideal se você quer utilizar até a última gota de recurso que essa estrutura pode oferecer.

Os Plugins são extensões para seu site WordPress que podem ser utilizados para inúmeros motivos e propósitos. Se você está procurando ter mais controle no painel de administração, melhorar a otimização de SEO, obter melhores estatísticas e análise, deseja acelerar o desempenho de seu site ou aprimorando a funcionalidade geral de seu site, há um plugin esperando por você no diretório de Plugins WordPress. A instalação é similar a instalar um novo tema. Na área do painel de controle escolha um Plugin e pressione o botão Adicionar Novo.

Share this
23 maio 2018

A Internet das Coisas e como ela mudará nossas vidas

Se você possui acesso à internet e está minimamente acompanhando as novidades sobre tecnologia (ou tem curiosidade), certamente já ouviu falar da Internet das Coisas. Esta tecnologia é apontada como a grande aposta para a próxima revolução digital, estando presente tanto nas novidades para uso pessoal (de eletrônicos à eletrodomésticos) quanto para a indústria. Para alguns especialistas, é apenas uma questão de tempo até o mundo econômico ser totalmente redefinido por essa realidade. Mas você sabe o que é internet das coisas?

 

O que é Internet das Coisas?

A Internet das Coisas – em inglês IoT, ou Internet of Things – é o termo utilizado para designar a revolução tecnológica e o conjunto de diversas tecnologias que passarão a ter acesso à internet, desde eletrodomésticos tradicionais até máquinas e robôs que atuam na indústria. Não, isso não significa necessariamente que você vai conseguir acessar o seu e-mail ou redes sociais pela sua , mas sim que todas essas tecnologias terão algum tipo de conectividade para melhorar o seu funcionamento. Cada vez mais vão surgir eletrodomésticos, meios de transporte e até mesmo tênis, roupas e tomadas conectadas à Internet e a outros dispositivos, como computadores e smartphones.

‘Internet das coisas’: 70% dos aparelhos estão sujeitos a ataques, diz HP

Não conseguiu entender nada? Pense então na sua geladeira ou na sua máquina de lavar roupas. Na realidade da Internet das Coisas, a sua geladeira terá sensores para conseguir identificar informações e produzir relatórios sobre temperatura média, volume de alimentos, potência e até tempo que eles estão armazenados. Assim, graças à conexão com a internet, será possível que o próprio software da geladeira informe você através do seu smartwatch, smartfone ou outro dispositivo inteligente quanto tempo a geladeira ficou aberta, se está ficando vazia ou até mesmo se um alimento está se deteriorando por estar passando da validade.

O caso da geladeira é só um exemplo básico, mas, com a Internet das Coisas, as possibilidades são infinitas. É a concretização de um mundo totalmente conectado e em constante troca de informações, agilizando muito a vida dos seres humanos com tarefas ordinárias do nosso cotidiano. Imagine, por exemplo, se essa mesma geladeira consegue se autodiagnosticar com mau funcionamento e solicita o próprio reparo para a manutenção autorizada. Empresa de manutenção que possui um banco de dados com informações atualizadas sobre todos as outras geladeiras da região. Isso não só permite que os consumidores fiquem mais tranquilos sobre o funcionamento de seus eletrodomésticos, mas também permite que os fabricantes consigam entender melhor o comportamento de seus usuários e seus equipamentos conforme o uso, e desenvolvam cada vez mais tecnologias eficientes para suprir essas demandas.

A ideia é que, cada vez mais, o mundo físico e o digital se tornem um só, através dispositivos que se comuniquem com os outros, os data centers e suas nuvens. Aparelhos vestíveis, como os Smartwatches, transformam a mobilidade e a presença da Internet em diversos objetos em uma realidade cada vez mais próxima.

A Genius Smart Lock é uma fechadura integrada com smartphones (Foto: Reprodução/ Genius Smart Lock)

 

O que é preciso para funcionar?

Para a Internet das Coisas funcionar com eficiência, os dispositivos (ou “coisas”) precisarão de alguns elementos essenciais que já estão movimentando os gigantes da tecnologia. Os sensores, por exemplo, são necessários para que o acesso à internet seja justificado. Além dele, os processadores para analisar o Big Data (grande banco de dados) precisam ser eficientes para gerar resultados rápidos e eficientes.

Uma tecnologia que também é considerada fundamental para esse funcionamento é RFID, ou identificação por radiofrequência. Ela permite que os sensores consigam identificar objetos através da frequência de rádio e informar, usando o exemplo anterior, a quantidade de maçãs presente na sua geladeira. Além disso, a energia para manter ligados esses sensores é outro fator primordial e que está constantemente desafiando os fabricantes. Para funcionar com alto rendimento e por longos períodos, é necessária uma fonte de energia que seja versátil e duradoura para os mais distintos ambientes.

As redes de transmissão de dados precisam ser cada vez mais eficientes e superar os desafios de barreiras físicas e limite de taxa de transferência. É por conta das pesquisas voltadas para a Internet das Coisas que o desenvolvimento do 5G está cada vez mais acelerado no mundo afora e novidades sobre a capacidade de transmissão de grandes volumes de dados possibilita os processadores em nuvem.

 

Como a Internet das Coisas pode influenciar nosso dia-a-dia?

Se você já assistiu algum filme ou série futurista (Altered Carbon e Black Mirror, por exemplo), já imaginou como seria viver em uma realidade totalmente conectada. Enquanto conversas por holograma e teleporte ainda são tecnologias extremamente distantes das nossas vidas (alguns testes estão avançados), a inteligência de nossas casas e dispositivos não é. O mundo que começou com smartphones e smartwatches agora tem chances reais de se tornar um ambiente em que tudo é inteligente e se comunica.

Isso significa que poderemos viver uma experiência completa, automatizada e inteligente de qualquer ação cotidiana graças à Internet das Coisas. Pagamentos em restaurantes, estacionamentos, meios de transporte, lista de compras e até uma tarde totalmente relaxante de domingo vendo um filme serão experiências completamente diferentes depois que tudo estiver conectado, e ao nosso alcance.

 

Como a Internet das Coisas pode influenciar a indústria?

Especialistas já estão considerando que as empresas que não seguirem as tendências da Internet das Coisas estão fadadas à falência. O motivo é muito simples: com as novas tecnologias, as companhias serão muito mais eficientes em pontos cruciais para o seu desenvolvimento, produção e gastos, além de poder medir a eficiência dos seus produtos junto com o usuário final.

Digitalização já é realidade nas indústrias

Por esses e outros motivos, muitos apontam que a chegada da Internet das Coisas simbolizará a terceira etapa da revolução digital, que começou com a criação da internet e digitalização de informações e teve como segunda etapa a presença significativa e constante das pessoas como criadoras de conteúdo para web. Assim, muitos segmentos do mercado ficarão defasados e serão extintos, enquanto novas oportunidades e novos modelos de negócio irão surgir pelas necessidades específicas dessa realidade.

 

Esteja online, e tenha sua presença na internet

Com todo esse cenário se desenhando, é interessante estar online e trazer seu negócio para a internet. Realmente, a Internet das Coisas vai mudar o mundo e os negócios como os conhecemos. Não perca a oportunidade de sua presença online e aproveitar essa onda que se mostra cada vez mais próxima.

A HostFlix possui hospedagem de sites e registro de domínios para você trazer seu negócio para a internet.

Share this
05 maio 2018

Como comprar um domínio

Depois de criar uma empresa, é hora de se fazer presente na internet. Para isso, é necessário comprar um domínio para fazer o seu site. Antes disso, vale diferenciar o termo domínio do termo hospedagem.

Enquanto várias empresas podem fornecer a hospedagem do seu site, necessária para armazenar e disponibilizar o conteúdo, somente com o domínio registrado é que você conseguirá colocar a página no ar.

Abaixo, você vê um passo a passo de como comprar um domínio, sendo que todo o processo.

 

Primeiro Passo: Verificando se o site já não existe

Antes de comprar um domínio, recomenda-se procurar no site se aquele nome que você busca registrar já não existe. Lembre-se de que o registro escolhido será responsável por ajudar a fazer a sua marca crescer.

Existem algumas regras básicas para criar o seu nome. O tamanho mínimo é de 2 caracteres e o máximo de 26 caracteres, sendo proibido usar somente números.

Se o domínio já estiver registrado, é necessário buscar um outro nome para o seu site ou colocar outras variações parecidas com a que você buscou. Por exemplo, os sites mais tradicionais são os .com.br, mas também há o net.br, eco.br, vlog.br, wiki.br e várias outras que podem encaixar no seu negócio dependendo do ramo de atuação. Existem também os domínios internacionais, sendo que os .com são os mais populares, porém, assim como os domínios nacionais, há também outras possibilidades, como .pub, .online, .art, .media, .xyz e muito mais.

Para se ter uma ideia, o domínio .com.br representa 91.91% do total, com mais de 3.584.853 de registros. O segundo colocado na lista é o net.br, com 2,42% do total e 94.264 sites registrados.

 

Segundo Passo: Colocando os seus dados

Depois de achar o nome certo para o seu negócio, é só adicionar ao carrinho para “registrar” e preencher um formulário em que é necessário colocar informações pessoais. É importante preencher corretamente para garantir todos os seus direitos em relação ao domínio.

Se alguém estiver te ajudando no cadastro, lembre-se que são os seus dados que devem ser inseridos, já que as informações sobre o titular da conta só poderão ser alteradas posteriormente.

 

Registrando, enfim, o seu domínio

Após o término do preenchimento, você terá que colocar mais algumas informações para registrar o domínio como CPF (em caso de pessoa física) ou CNPJ (em caso de pessoa jurídica). Depois, é hora de ler o contrato gerado pelo sistema e aceitar os termos descritos. Assim que o registro foi feito, o e-mail de confirmação será enviado para o endereço eletrônico que você cadastrou.

Terceiro Passo: Contratando um plano de hospedagem

Para que seu site fique no ar após o registro, é necessário um plano de hospedagem. A contratação do plano pode ser feita durante o registro ou mesmo após. Basta escolher um de nossos planos disponíveis e mãos à obra. Para conhecer a diferença entre domínio e hospedagem, acesse aqui.

Share this
27 out 2017

Como usar o cPanel?

O cPanel é um dos painéis mais utilizados para gestão de hospedagem web. Atualmente é utilizado na maioria dos serviços de hospedagem baseados em Linux, por isso a hospedagem cPanel é tão popular. Podemos caracterizá-lo como o melhor amigo de quem hospeda um site, pois ele jamais irá te deixar na mão.

Apesar da popularidade, é comum muita gente ter dúvidas a respeito de seu funcionamento, inclusive algumas pessoas acreditam que para aproveitar as funcionalidades do software é complicado, um bicho de sete cabeças.

Entre os mitos e as verdades sobre uma hospedagem com painel cPanel, o “não saber/não gostar” talvez seja caracterizado pela resistência em aprender coisas novas, ou até mesmo em utilizar a ferramenta com layout diferente daquele que está acostumado. E isso no mundo digital é preciso ser resolvido imediatamente, tipo “cortar o mal pela raiz”.

Acompanhe este artigo preparado exclusivamente para você leitor da HostFlix e aprenda um pouco mais sobre hospedagem cPanel!

Como posso (devo) usar o cPanel?

Antes de tudo, entenda que o cPanel oferece uma interface gráfica e várias ferramentas de automação. E, para conseguir facilitar o processo de hospedagem de site para o usuário, o software oferece uma estrutura de 3 camadas com inúmeros recursos para o administrador do site.

A maioria dos usuários considera o cPanel uma ferramenta robusta e completa! Com todas as informações e aplicações realmente necessárias para a hospedagem de um site, inclusive possibilitando personalizar o layout conforme gosto do freguês.

Vamos então entender como acessá-lo e entender alguns de seus recursos:

Login e senha

Como toda ferramenta de administração, a segurança conta muito. E isso não muda no cPanel: você irá precisar do seu login e senha para acesso ao painel de controle. Este login e senha é fornecido automaticamente pelo sistema quando é criada a conta de hospedagem. Neste caso, verifique seu e-mail e vamos em frente.

Identificando os recursos do painel

Após o logon, logo na primeira página do cPanel, você vai ter visibilidade para as principais informações do software, bem como, os recursos necessários para a manutenção do seu site. Um dos primeiros passos que você deve fazer é configurar o seu e-mail. Assim você consegue receber todas as informações necessárias direto no seu e-mail mantendo a manutenção sempre em dia.

Com o cPanel você será capaz de ter o controle de informações importantes, como:

  • Informações gerais da sua conta
  • Tráfego de acesso
  • Utilização do espaço em disco
  • Transferência mensal
  • FTP (File Transfer Protocol), ou para alguns Protocolo de Transferência de arquivos
  • Uso da CPU e processos em execução
  • Arquivos do seu site
  • Gerenciamento do banco de dados
  • Configurações de segurança e gerenciamento do domínio
  • Módulos de instalações automáticas (WordPress, Magento, Joomla, etc.)

Também é possível ficar atento as informações técnicas, como as últimas versões e atualizações de módulos de programação instalados.

Gerenciador de Arquivos

Esse recurso é um ótimo para quem tem dificuldade em usar o gerenciador de FTP (ou mesmo para que não gosta). Com ele será possível fazer uma navegação entre todos os diretórios em sua conta de hospedagem. Também vai ser possível fazer as seguintes ações:

  • Criação de novas pastas
  • Arquivos novos
  • Transferência dos arquivos (upload)
  • Exclusão dos arquivos (lixeira)
  • Compressão de pastas e arquivos no formato .zip (para fazer download)
  • Permissão de acesso nas pastas do seu site
  • Edição rápida dos arquivos do site
  • E muito mais…

Email (gerenciador)

Neste módulo, o cPanel oferece à seus usuários todos os recursos necessários para o gerenciamento de contas de e-mail do site hospedado. Além da criação dos e-mails, o sistema permite a configuração de encaminhadores, filtros, meios de autenticação, configuração do anti-spam, e muitos outros recursos.

Para acessar o webmail, o cPanel oferece três opções de provedores, então você vai pode escolher aquele que lhe parecer mais prático. Além disso, há a opção de gerenciar as contas online, e também offline (através do Outlook e Eudora, por exemplo).

Domínios

O cPanel oferece recursos para deixar sua página ainda mais completa, possibilitando a criação de subdomínios que serão conectados ao seu domínio principal. Para funcionar corretamente, todos os subdomínios precisam receber uma configuração de DNS.

O recurso do cPanel faz essa configuração de forma automática, porém, muitos usuários afirmam que ele pode acabar não funcionando de imediato, necessitando dessa configuração para que o redirecionamento seja executado com eficiência.

Também é através deste módulo que você irá configurar (se necessário) seus domínios de complementos, ou seja, domínios adicionais à sua conta de hospedagem que o sistema armazena como um subdomínio do site principal. Apesar de estar configurado como um subdomínio, o acesso pode ser feito pelo novo domínio principal. Sendo assim, use domínios de complementos para hospedar domínios adicionais em sua conta.

Já os aliases de domínios (ou domínio estacionado) você pode fazer com que www.example.net e www.example.org mostrem o mesmo conteúdo de www.example.com. Este recurso é ideal para aqueles que registram todos os tipos de domínios da empresa (.com, .com.br, .net e por aí vai).

Conclusão

Os serviços de hospedagem cPanel tem muitas e muitas vantagens. São inúmeros recursos para você gerenciar seu site e deixar o mais profissional possível. Quem procura melhor gerenciar suas páginas pode contar com suas ferramentas. Além dos recursos padrão do cPanel, existe alguns plugins instalados e disponibilizados em alguns planos de hospedagem (como o Softaculous), que podem, pode exemplo, te ajudar até a criar um sistema de comércio eletrônico dentro da sua página, ficar de olho nas estatísticas de acesso, bloquear ou desbloquear um IP no site e muito mais.

O gerenciamento do seu site é o melhor caminho se você quer aumentar a produtividade e a eficiência, e pode ter certeza que o painel cPanel dispõe de ótimos recursos que não vão te deixar na mão.

Share this
27 out 2017

Domínio x hospedagem: entenda a diferença

Para alguns que estão criando seu primeiro site, alguns termos típicos deste universo podem causar confusão. Uma dúvida que passa pela cabeça de muitos novatos no mundo digital é: qual é a diferença entre domínio e hospedagem?

Para facilitar e deixar as coisas mais claras, vamos fazer um comparativo com o “mundo real”. O domínio é o endereço da sua loja e a hospedagem é o imóvel onde ela está montada. Ambos são fundamentais para o seu site funcionar. Portanto, vamos entender em detalhe o papel de cada um.

 

Domínio: o que é?

O domínio é o endereço que o internauta vai digitar para chegar até sua loja, aquele que geralmente começa com “www” e termina com “.com.br”. Ele é a “tradução” do IP do servidor em que a página está hospedada para um endereço escrito de fácil memorização. É geralmente por meio dele que podemos acessar qualquer conteúdo via web.

A estrutura do domínio (ou URL) vai variar conforme o tipo de endereço. Páginas com o endereço terminado em .com, por exemplo, são definidas geralmente para serviços empresariais. Já as com o final .gov, são reservadas exclusivamente a instituições governamentais, enquanto as .org para identificar organizações não governamentais.

Estas “terminações” são conhecidas pela sigla TLD (top-level domain ou domínio de topo, na tradução literal). Existem inúmeros TLD’s disponíveis para registros, sendo os mais comuns os “.com”.

 

Posso registrar um domínio para chamar de “meu”?

Sim, para registrar um domínio, você deve procurar por empresas especializadas no serviço, como a HostFlix. Em seguida você deve pesquisar para ver se o endereço que você quer para sua loja (por exemplo, “www.cantinhodamoda.com.br”) está disponível para registro, ou seja, ainda não foi registrado por ninguém. As opções são limitadas, mas não se esgotam no tradicional “.com.br”. Você também pode optar por um domínio terminado apenas em “.com” ou por terminações específicas para o seu negócio, como “.adv.br” (para advogados), “.med.br” (para médicos), ou até mesmo segmentado ao seu negócio, como por exemplo “.blog”, “.club”, etc.

 

Hospedagem: o que é?

A hospedagem do site é o espaço que seu site vai ocupar na internet. É o serviço que permite armazenar as páginas e arquivos que irão manter o seu site no ar.

 

Como consigo um “espaço” para meu site?

Atualmente existem diversas empresas que oferecem o serviço de hospedagem, por um determinado valor, dependendo dos recursos disponíveis no plano. Antes de decidir contratar uma hospedagem de site, procure levar levar em consideração os recursos oferecidos como espaço disponível de armazenamento, tráfego de dados, redirecionamento de links e e-mails, painel de controle e estatísticas, e instalação automática de aplicações como o WordPress. Outro ponto importante é sobre a segurança e a confiabilidade do serviço, afinal de contas, você não vai querer que seu site seja invadido por criminosos ou fique fora do ar no momento em que um cliente quer falar com você.

Share this
27 jul 2017

Teste a velocidade de carregamento de seu site gratuitamente

.Com a crescente oferta de informações e serviços na internet, é cada vez mais comum que as pessoas utilizem a rede para interagir, fazer uma compra e buscar informações. Quando acessamos um site, alguns segundos a mais no tempo de carregamento da página podem ser a diferença entre ganhar e perder um leitor ou cliente. É fundamental manter o seu site rodando com o menor tempo de carregamento possível.

Atualmente existem diversas técnicas para otimizar sua página e aumentar a velocidade do site. Mas hoje vamos falar sobre uma etapa anterior a essa: vamos conhecer algumas ferramentas gratuitas que nos permitem avaliar e medir o tempo de carregamento de um site.

 

1. Page Speed Insights, do Google

A ferramenta do Google faz parte do portal para desenvolvedores da empresa. Ela analisa o carregamento do site tanto em desktops quanto em dispositivos móveis. Após inserir a URL da página, você receberá uma avaliação baseada nos seguintes critérios:

  • Mobile – Velocidade
  • Mobile – Experiência do usuário
  • Desktop – Velocidade

Em cada uma das seções listadas acima, a página receberá uma nota de classificação, entre 0 e 100, sendo 0 o pior índice e 100 o melhor. Quanto mais próximo de 100, menos itens você terá para corrigir.

Além disso, será realizada uma avaliação detalhada dos problemas encontrados e uma recomendação do que pode ser feito para correção. Da mesma forma, os elementos que estiverem em ordem, serão listados na área de “Aprovado”.

A ferramenta também exibirá uma captura de tela da página em um dispositivo móvel e em um desktop.
Acesse aqui o Page Speed Insights.

 

2. Pingdom Website Speed Test

Além da nota de classificação, nessa ferramenta você também poderá visualizar em destaque o número de requisições feitas pela página, o tempo total de carregamento e o tamanho total dos arquivos presentes na página.

Logo abaixo deste resumo, você verá um gráfico contendo todas as requisições feitas e o tempo de carregamento individual. Ao pousar o mouse sobre uma das barras de tempo, um balão é exibido, contendo o tempo de duração de cada item no processo, da requisição à resposta, conforme ilustrado na imagem abaixo.

Acesse a ferramenta Pingdom em http://tools.pingdom.com/fpt/ (em inglês).

 

3. Web Page Analizer – de Website Optimization

Criado por Andy King, autor do livro Website Optimization, lançado pela O’Reilly em 2008, o Web Page Analyzer, assim como as demais ferramentas, calcula o tamanho da página, elementos e tempo de carregamento.

O resultado é exibido em tabelas contendo as principais informações sobre o assunto. Ao final da página, há uma área de Analysis and Recommentations (análise e recomendações), na qual itens como HTML, imagens, scripts, entre outros, são comentados com recomendações de melhoria.

Acesse o Web Page Analyzer (em inglês).

 

4. GT Metrix

A análise do GT Metrix utiliza 27 critérios distintos para gerar sua nota de classificação. Em cada critério é possível visualizar o que precisa ser otimizado (se houver). Assim como na ferramenta Pingdom, também é possível visualizar as requisições individualmente.

Em destaque, você verá o índice de classificação Page Speed, da GT Metrix, e também o índice YSlow, que é uma ferramenta de código aberto para análise de velocidade baseada em regras de performance definidas pelo Yahoo. As notas de classificação são exibidas em percentual (de 0 a 100%).

Acesse a ferramenta GT Metrix em http://gtmetrix.com/ (em inglês)

Share this
27 jul 2017

Erro 404: utilize a seu favor

Já encontrou aquela famosa mensagem “Not Found”? Certamente sim, ao tentar acessar uma determinada página de algum site, seja internamente ou através de pesquisa no Google. O erro 404 é um das páginas de erros que os usuários mais encontram na web. E, por este motivo, é importante usá-la para melhorar a experiência do usuário em seu site. Com esse objetivo vamos abordar nesse post o Erro 404, explicando como ele ocorre e mostrando maneiras melhores de conviver com ele.

 

Como esse erro ocorre?

O erro 404 é um código de resposta HTTP que indica que o usuário pode se comunicar com o servidor normalmente mas o servidor não pôde encontrar o que foi solicitado. Assim, o servidor de hospedagem irá apresentar a mensagem “404 – Página não encontrada”. Esse erro significa que a página da web (e não o site) que o usuário estava tentando acessar não foi encontrada, essa página pode ter sido removida ou modificada. Pode ocorrer também quando:

  • o usuário tenta acessar um link quebrado ou que não existe;
  • o visitante do seu site digita a URL incorretamente.

Em resumo, o Erro 404 ocorre quando a página acessada não existe na URL inserida.

 

Quais as consequências desse erro?

É bem possível que o usuário perca a confiança no seu site, principalmente, se for a primeira visita. Ainda mais se você possui uma loja virtual – já que, nesse caso, o erro impede que o cliente realize a compra. Infelizmente esse tipo de erro está presente em todos os sites, principalmente porque pode ser causado por erros de digitação do usuário. Então a melhor maneira é pensar em uma forma de utilizar esse erro a seu favor.

Antes de tudo, é preciso otimizar as suas URL’s para deixá-las mais amigáveis – o que é ótimo para SEO. Lembre-se também para realizar redirecionamentos caso alguma página seja excluída. É possível que algum usuário tenha salvo sua página nos favoritos. E o melhor conselho: customize sua página 404!

A página de erro padrão é simples e com termos em inglês (como na imagem), o que pode gerar uma certa desconfiança, não é mesmo?


Sendo assim, a melhor forma é sempre apostar na usabilidade sempre, veja algumas dicas na hora de customizar a sua página de erro 404:

  • Retire a mensagem padrão de erro;
  • Mantenha o layout padrão do seu site para mostrar ao usuário que ele continua navegando na mesma página;
  • Mantenha o menu do seu site ou adicione um botão para retornar à página inicial;
  • Se possível, adicione um campo de busca ou indique algumas páginas semelhantes ao que foi pesquisado;
  • Erros não são bem vistos pelos usuários, então dê um toque de humor à página – mas cuide para sempre manter a identidade da sua marca.

Acessar um site e se deparar com uma página de erro 404 pode ser uma decepção para o visitante. Pensando nisso diversos sites encontraram uma maneira mais leve para lidar com a situação, criando uma página divertida. Listamos alguns exemplos abaixo:

Página de erro 404 do Google.

 

Página personalizada do erro 404 da Editora Globo.

 

O Banco Itaú também personalizou a página de erro 404.

 

Pense na identidade visual da sua marca e crie você também uma página de erro personalizada.  Este procedimento pode ser feito através do cPanel da HostFlix (todos os nossos planos de hospedagem permitem que você customize suas páginas de erro). Estamos sempre em busca de maneiras e oportunidades para tratar alguns problemas e o erro 404 é um deles. Mesmo que seja comum e presente em qualquer site.

Share this

© 2018 HostFlix | Todos os direitos reservados!

Click Me